Martinismo


Uma breve introdução

“Martinismo” é o nome comum dado a uma teosofia mística secreta, relacionada com a origem e destino do ser humano.

A fonte destes ensinamentos está envolta na névoa dos tempos, mas foi concebida e formulada como uma escola espiritual e uma filosofia coerente por três indivíduos em particular, dando origem ao nome “Martinismo”: Martinez de Pasqually, e seus dois estudantes e amigos Louis Claude de Saint-Martin e Jean Baptiste Willermoz.

Martinez de Pasqually

Martinez de Pasqually

Pasqually era um místico francês de origem judaica, nascido nos arredores de Grenoble próximo do ano de 1720.

A fonte de seus ensinamentos é um mistério, mas sabemos que foi instruído por seu pai, que o iniciou na Franco Maçonaria , assim como também por um individuo a quem Pasqually se referia como seu “velho mestre”.

Pasqually herdou de seu pai os direitos para estabelecer uma Loja Maçônica. E em 1752, estabeleceu uma Sociedade iniciática para transmitir seus ensinamentos. Denominou-a Ordem dos Cavaleiros Maçons Elus Coëns do Universo (Ordre des Chevaliers Maçons Elus Cohens de l’Univers).

Sua Ordem e seus ensinamentos estavam dedicados à verdadeira origem da Humanidade como veículo e recipiente da Luz Divina, e à senda mística e mágica que conduz da ignorância material à iluminação espiritual.

Este processo se obtinha através de uma série de etapas, nas quais o iniciado experimentava distintas instâncias onde era consagrado e instruído, trabalhando a si mesmo sobre uma prática teúrgica orientada para sua própria purificação, tanto espiritual quanto física. Estas eram, e ainda são, as ferramentas mais importantes para os Elus Cohens na busca da auto conquista.

Prunelle de Liere's Elus Cohen notebook

 

 

Desde então, nossos ensinamentos têm sido transmitidos através de três sendas diferentes: em sua forma original, através da Ordem Cerimonial dos Elus Cohens, e em segunda instância, como uma Ordem de Cavalaria moral e espiritual, dentro da C.’. B.’. C.’. S.’. — a Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa.

Jean-Baptiste Willermoz

Jean Baptiste Willermoz

O criador original da “Ordem dos Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa” — C.’. B.’. C.’. S.’., foi Jean Baptiste Willermoz (1730 — 1824), amigo próximo e estudante de Martinez de Pasqually.

Quando Pasqually morreu, em 1774, os ensinamentos do seu mestre corriam risco de perder-se, pelo que Willermoz decidiu utilizar um corpo maçônico como veículo dos ensinamentos internos e secretos da Ordem dos Elus Cohens.

Willermoz era uma pessoa pragmática, um erudito esotérico brilhante e um inovador.

Seu trabalho como Franco Maçom é de um impacto e erudição fundamental, mas tristemente, tem sido esquecido com o passar dos séculos. Mas a história o apresenta como um ardente cavalheiro defensor da verdade, lutando por retificar a decadência das sociedades secretas e a falta de um sincero desejo pela iluminação que se experimentava dentro das mesmas.

O objetivo do C.’. B.’. C.’. S.’. é capacitar os Cavaleiros para seguir a Imitação de Cristo, e adotar uma vida de Cavalaria moral como as bases de todo sucesso espiritual. Favorecendo o trabalho pessoal de reconstrução do que foi perdido, o trabalho dos Cavaleiros e Damas da Ordem é manifestar os ensinamentos caridosos do Martinismo no mundo, através da Beneficência e dos atos desinteressados.

C.’. B.’. C.’. S.’. é em consequência o ramo cavaleiresco da tradição Martinista, os cavaleiros pobres de Cristo.

 

 

 

Louis-Claude de Saint-Martin

Louis-Claude de Saint-Martin

Saint-Martin, melhor conhecido como o “Filósofo Desconhecido”, é o último dos três fundadores daquilo que a história decidiu chamar Martinismo. Sendo mais conhecido deles, a Tradição chegou a ser denominada Martinismo sob sua tutela.

Louis Claude de Saint-Martin nasceu no seio de uma família nobre em Amboise, França, em, 18 de janeiro de 1743. Transformou-se num dos estudantes de Martinez de Pasqually dentro dos Elus Cohens, assim como seu amigo próximo e secretário. Tal como seu amigo de toda a vida, Willermoz, seguiu seu próprio caminho ao aprofundar-se na senda de seu Mestre, e buscou estabelecer um caminho místico e silencioso de iluminação espiritual — não através da Teurgia e seu ritual, mas através da interna “Via do Coração” (Via Cardíaca).

Começou a instruir estudantes dentro de seus próprios ensinamentos, que estavam mais influenciados pela doutrina de Pasqually, mas que posteriormente também se inspiraram nos escritos do místico cristão Jacob Böheme. Saint-Martin viajou por toda Europa, e escreveu uma grande quantidade de livros, sempre sob o pseudônimo de “Filósofo Desconhecido” — ensinando que o silêncio e o anonimato constituem o caminho verdadeiro do Adepto que nutre o Fogo Sagrado.

Saint-Martin morreu em 13 de outubro de 1803, deixando atrás de si um grande número de estudantes por toda Europa, transmitindo seus ensinamentos em círculos reduzidos e iniciações privadas entre estudante e iniciador.

Voie Cardiaque — O Caminho do Coração (Via Cardíaca) é o ramo místico e contemplativo da ORC, a partir de cujas raízes brotam os outros ramos da Ordem.

O cimo destes ensinamentos é a iniciação assim descrita por Saint-Martin:

“A única iniciação que eu proponho e busco com todo o ardor de minha alma, é aquela pela qual seremos capazes de ingressar dentro do Coração de Deus em nosso próprio interior, e uma vez ali, realizar o Casamento Indissolúvel, que nos transformará em amigo, irmão e esposo do Reparador… não há outra forma de chegar a esta Iniciação Santa sem submergirmos mais e mais dentro da profundidade de nossa Alma, e nos aferrarmos ao prêmio final até que consigamos liberar sua origem vivente e vivificante”.

 

Para conhecer mais acerca do Martinismo, ou como ser admitido na Ordre Reaux Croix, por favor, navegue em nosso website e visite nossa biblioteca.

bgr_post_titlebgr_post_title